Foto: Divulgação/Ford

A Ford anunciou nesta segunda-feira (11) que está encerrando sua fabricação de veículos no Brasil. Ao longo de 2021, serão fechadas as fábricas em Camaçari (BA), Taubaté (SP) e da Troller (em Horizonte, CE). A montadora alegou “perdas significativas” nos últimos anos, e disse que a pandemia da COVID-19 aumentou a capacidade ociosa da indústria.

Em nota, a empresa disse que a produção em Camaçari e em Taubaté serão encerradas imediatamente, mantendo-se apenas a fabricação de peças “para garantir disponibilidade dos estoques de pós-venda”. A fábrica da Troller permanecerá ativa até o quarto trimestre de 2021. As operações de manufatura na Argentina e no Uruguai, assim como as organizações de vendas em outros mercados da América do Sul permanecerão ativas.

A Ford estima um impacto de cerca de US$ 4,1 bilhões em despesas não recorrentes, incluindo aproximadamente US$ 2,5 bilhões em 2020 e US$ 1,6 bilhão em 2021. Serão comprometidos por volta de 5 mil empregos. Desde 2019, a Ford não produz mais caminhões e outros tipos de veículos no Brasil.

Na manhã desta terça-feira, trabalhadores da empresa em Camaçari (BA) realizaram protesto contra o fechamento da fábrica. O presidente do sindicato dos metalúrgicos da Bahia, Júlio Bonfim, disse ao G1 que “o que a Ford está fazendo hoje é uma atrocidade com mais de 12 mil trabalhadores”.

Resposta do Governo

O Ministério da Economia divulgou nota lamentando a decisão da montadora. Disse que a decisão de encerrar a produção no país “destoa da forte recuperação observada na maioria dos setores da indústria no país, muitos já registrando resultados superiores ao período pré-crise”.

O presidente Jair Bolsonaro disse na terça-feira (12) que faltou à Ford “dizer a verdade” sobre o motivo de optar por encerrar as atividades no Brasil. Na saída do Palácio da Alvorada, disse que a empresa busca subsídios. “Vocês querem que continue dando R$ 20 bilhões para eles como fizeram nos últimos anos – dinheiro de vocês, impostos de vocês – para fabricar carros aqui?”, disse Bolsonaro.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que a decisão da Ford é uma demonstração da falta de credibilidade do Governo. “O sistema que temos se tornou um manicômio nos últimos anos, que tem impacto direto na produtividades das empresas”, disse.