Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Apesar de defender a convocação extraordinária durante janeiro, para votar a PEC Emergencial e o Orçamento, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) disse hoje que acha improvável que a convocação seja feita.

“Não acho que o Senado esteja com essa vontade, mas mais ainda que o governo não tem a vontade porque acha que de alguma forma a intenção de pautar algo em janeiro tenha relação com minha sucessão”, disse, em entrevista coletiva.

Para que seja feita uma convocação extraordinária, é preciso maioria absoluta tanto na Câmara (257 votos) como no Senado (41).

Para Arthur Lira (PP-AL), a convocação extraordinária da Câmara dos Deputados, que vem sendo planejada por Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem o objetivo de beneficiar o grupo do atual presidente da Câmara.

“No apagar das luzes, e para dar tempo para articular um projeto pessoal de sucessão, ele [Maia] volta a querer impor sua vontade”, disse Lira em publicação no Twitter.