Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Cada vez mais pressionado, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) deve declarar nesta segunda-feira (14) qual será o candidato que vai apoiar à presidência da casa. Caso contrário, corre o risco de perder o apoio de partidos de esquerda.

Como mostrou O Brasilianista, a oposição, liderada pelo PT, têm postergado a definição de um posicionamento oficial sobre a eleição na Câmara, aguardando que Rodrigo Maia divulgue qual será seu candidato.

Enquanto o grupo (que já reúne PSL, MDB, PSDB, DEM, Cidadania e PV) não define um candidato, o deputado Arthur Lira (PP-AL) tenta cooptar votos da esquerda. O progressista lançou a candidatura na semana passada. Na ocasião, Maia levou um susto: a bancada do PSB, de esquerda, chegou a dar um indicativo de apoio a Arthur Lira (PP-AL), que é visto como candidato de Bolsonaro. O posicionamento acabou revertido pelo diretório nacional da sigla, que vetou por unanimidade o apoio ao líder do Centrão.

Há parlamentares que pleitam o lançamento de um representante da esquerda caso Maia atrase ainda mais a divulgação de um nome. O PDT cogita o nome do deputado Mário Heringer (MG).

De olho nas conversas que os colegas vem tendo no Congresso, o deputado Rui Falcão, ex-presidente do PT, publicou no domingo (13) um pedido para que os membros do partido não sigam Lira.

Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) e Baleia Rossi (MDB-SP) são os candidatos mais cotados do grupo de Maia.