Imagem aérea mostra o Congresso Nacional e a Esplanada dos Ministérios. Foto: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

Circula no mercado rumores sobre articulações em torno da prorrogação do estado de calamidade e do pagamento do auxílio emergencial.

Considerando que o estado de calamidade termina no dia 31 de dezembro, certamente haverá pressão por parte de alguns parlamentares pela prorrogação. Entretanto, essa não é a visão da maioria no Congresso. Embora o projeto possa ser apresentado por qualquer parlamentar, a prorrogação não é apoiada pela maioria da Câmara e do Senado.

A oposição, por exemplo, pressiona para que a MP 1000/20 seja votada. Ela prorrogou o auxílio emergencial de R$ 300 até dezembro. Apesar da pressão, a MP sequer foi votada. E dificilmente será.

Vale ressaltar, ainda, que o Congresso tem uma pauta extensa até o dia 22 de dezembro, último dia de atividade legislativa.


*Análise Arko – Esta coluna é dedicada a notas de análise do cenário político produzidas por especialistas da Arko Advice. Tanto as avaliações como as informações exclusivas são enviadas primeiro aos assinantes. www.arkoadvice.com.br