Divulgação EBC

As pesquisas de intenção de voto publicadas nos últimos dias nos Estados Unidos têm mostrado que o candidato Joe Biden está na frente. Não só isso – ele tem uma diferença de 12 pontos percentuais em relação a seu oponente, o republicano e candidato à reeleição, Donald Trump, de acordo com a mais recente pesquisa da CNN. O democrata tem 54% das intenções de voto Trump tem 42%.

A possível mudança de direção na presidência americana tem gerado apreensão nos investidores, que veem a possibilidade de mudanças radicais no rumo econômico do país. Contudo, para o diretor de estratégia da Arko Advice, Thiago de Aragão, um choque nos mercados não deve ocorrer.

“O poder te puxa para o centro, porque a burocracia mora nesse ambiente de centro. Uma pessoa não chega e muda a política. Pode ter volatilidade, mas não vejo uma tragédia nas bolsas”, avaliou, em coluna no Estadão. Segundo ele, o sistema acaba por balizar as possíveis ações dos candidatos.

“A burocracia e a estrutura americana são mais importantes que o próprio candidato”, pontua.