Foto: Evaristo SA/AFP

Na manhã desta quinta-feira (29), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), publicou em seu Twitter que “a atitude do presidente do Banco Central de ter vazado para a imprensa uma conversa particular que tivemos ontem não está à altura de um presidente de Banco de um país sério”.

Na terça-feira, Maia acusou o governo de obstruir a pauta de votações da Casa, evitado que as sessões alcancem o quórum mínimo para análise de projetos.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, pediu uma trégua a Maia nas turbulências políticas. Ele estava preocupado com os efeitos no mercado financeiro e pediu que embates políticos sejam deixados de lado e que as atenções se concentrem no avanço do ajuste fiscal. O atraso no calendário de votações, em sua avaliação, estaria impactando o desempenho da bolsa e do dólar e teria potencial de afastar investidores estrangeiros.

Maia respondeu afirmando que “Só relatei [ao Campos Neto] o que está acontecendo. Estou toda semana pautando a Câmara, tentando botar a coisa para funcionar. Se tem alguém que está fazendo isso [travando as votações], não sou eu”.

Logo em seguida Maia escreveu que recebeu uma ligação de Roberto Campos Neto afirmando que ele não divulgou para a imprensa a conversa entre os dois. “Diante da palavra do presidente, o vazamento certamente foi provocado por terceiros. Deixo aqui registrado a ligação e a confiança que tenho nele”, disse.