Foto: Arquivo/Agência Brasil

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) já movimentou R$ 105 bilhões na economia para auxiliar as empresas brasileiras a superar os efeitos da pandemia de Covid-19. Ao longo de sete meses, desde o anúncio das primeiras medidas no fim de março, esse valor foi destinado prioritariamente a micro, pequenas e médias empresas (MPMEs), que perfazem 96% das 258 mil apoiadas. Todas elas empregam mais de 8,5 milhões de pessoas.

O principal destaque dessas ações é o Programa Emergencial de Acesso a Crédito (PEAC), que proporcionou a 89 mil empresas R$ 71,1 bilhões em créditos garantidos desde seu lançamento, em 30 de junho. Ao todo, 46 agentes financeiros estão habilitados a contratar empréstimos com a garantia do Tesouro Nacional via Fundo Garantidor de Investimentos, modelo do PEAC. As instituições financeiras parceiras são as responsáveis pela decisão final de utilizar a garantia do programa e avaliar o pedido de crédito, no momento em que estruturam cada uma de suas operações.

Além desses R$ 105 bilhões destinados às empresas brasileiras, outros R$ 20 bilhões foram repassados do Fundo PIS-PASEP, administrado pelo BNDES, para o FGTS, permitindo que pessoas físicas fizessem saques emergenciais e destinassem parte desses recursos ao consumo. O repasse também ajudou a economia a se reerguer e deu fôlego aos pequenos negócios. Computado esse valor, o total das medidas emergenciais operacionalizadas pelo BNDES chega à marca de R$ 125 bilhões.

Com informações do site do BNDES