Foto: Marcos Corrêa/PR

Os últimos meses do governo Bolsonaro têm sido marcados por uma queda-de-braço interna que, de tempos em tempos, gera uma crise. A disputa entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, na última semana cresceu a ponto de que o próprio presidente precisou intervir para evitar maior desgaste.

A confusão começou em encontro de Marinho com investidores, quando o ministro teria criticado a atuação do colega, dizendo que o Renda Cidadã – programa social que é pensado para substituir o Bolsa Família -, vai sair “da melhor ou da pior maneira”. Mais de uma vez o governo tentou “driblar” o teto de gastos como forma de financiar o novo programa.

Saiba mais:

Já Guedes mandou a resposta pela imprensa. Em entrevista, chamou Marinho de “despreparado, desleal e fura-teto”.

Foi Bolsonaro que precisou intervir. Pediu que Marinho não retrucasse e, em nota à imprensa, o ministro só disse que foi mal entendido e que suas falas foram distorcidas.

No sábado (3), Bolsonaro reuniu ministros no Palácio do Alvorada para dizer que tanto Guedes como Marinho devem continuar no governo. Como o ministro do Desenvolvimento Regional não pôde comparecer, a expectativa é que uma nova reunião seja feita ainda no começo desta semana.

Economia X Política

A briga entre Guedes e Marinho é motivada por um antigo desentendimento entre os dois ministros, que representam, respectivamente, as alas econômica e política do governo Bolsonaro. Enquanto Guedes defende o teto de gastos, Marinho tenta conseguir mais recursos para a realização de um número maior de obras públicas.