Imagem: Reprodução/CNN Brasil

A proposta do programa “Renda Cidadã” que é desenvolvido pelo governo como substituição ao Bolsa Família, deve ser apresentado nesta segunda-feira (28) a Bolsonaro.

A ideia deve ser apresentada como uma adição à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo de relatoria do senador Márcio Bittar (MDB-AC).

O Renda Cidadã é uma reformulação da proposta do Renda Brasil, que vinha sendo discutida pela equipe econômica do governo, mas acabou barrada por Bolsonaro. A dúvida que ainda permanece é de onde o governo vai tirar o dinheiro para financiar o novo projeto. O presidente Jair Bolsonaro já declarou que não deve aceitar que programas sociais antigos deixem de existir para viabilizar a ideia. Quando membros da equipe econômica discutiam que a verba viesse do congelamento do reajuste de aposentadorias e pensões, Bolsonaro disse que estava proibido falar em Renda Brasil e ameaçou de “cartão vermelho” quem sugerisse o fim de outros auxílios.

A reclamação de Bolsonaro vinha do fato de que o presidente não participava ativamente da discussão e foi surpreendido quando a proposta foi parar na imprensa – erro que Bittar tenta evitar.

Saiba mais:

A articulação pelo novo programa foi assumida pelo líder do governo na Câmara Ricardo Barros (PP-PR), que, junto a Bittar, tem feito uma maratona de reuniões de modo a unificar as ideias existentes. No sábado (26), Barros esteve com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para discutir não só o novo programa social mas também a reforma tributária.

No domingo (27), Bittar e Barros se reuniram com o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, o líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO) e representantes do Ministério da Economia. “Estamos trabalhando para garantir renda para mais de 20 milhões de famílias”, publicou Bittar depois do encontro.

Na segunda-feira (28), Bittar deve se reunir com Bolsonaro e com líderes partidários para discutir o Renda Cidadã, o Pacto Federativo e a reforma tributária, inclusive o novo imposto sobre transações eletrônicas.