Foto: Jim Bourg

O Departamento de Comércio dos Estados Unidos restringiu ainda mais o acesso da Huawei a chips e outras tecnologias, na última segunda (17).

Foram adicionadas 38 filiais da Huawei em todo o mundo à ‘lista de entidades’, que se refere às entidades banidas dos EUA, justificando que a empresa utilizava subsidiárias internacionais para evitar as sanções que impedem a exportação de tecnologia americana. Além disso, o departamento confirmou que não estenderá uma licença geral temporária que expirou na última semana para usuários de dispositivos Huawei e provedores de telecomunicações.

Sendo assim, a chinesa não terá mais acesso a qualquer serviço da Google que exija algum tipo de transferência de hardware ou software, como por exemplo as atualizações do Android. A Huawei depende da liberação de atualizações do Google em seu canal aberto (o AOSP), o que pode ocasionar demora na distribuição de novas versões do Android e de updates de segurança para os seus dispositivos.

O governo chinês se pronunciou e afirmou se opor firmemente à supressão norte-americana da Huawei. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, pediu aos Estados Unidos que parem de desacreditar as empresas chinesas e afirmou que o governo de Pequim continuará a tomar todas as medidas necessárias para salvaguardar os direitos legítimos das empresas chinesas.