Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Prorrogação pode ser feita com valor reduzido: R$ 200

 

A pressão para que o Ministério da Economia estenda o auxílio emergencial pode estar surgindo efeito. De acordo com informações da Folha de S. Paulo, o Ministério da Economia estuda ampliar a duração do programa até dezembro, com redução do valor. As novas parcelas teriam o valor de R$ 200, aproximadamente o valor que é pago pelo Bolsa Família.

No mês passado, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, chegou a dizer o próprio Congresso Nacional poderia prorrogar o auxílio caso o governo não enviasse ao Congresso o projeto do Renda Brasil. “O governo precisa parar de fazer discurso do Renda Brasil e apresentar o programa para o Congresso Nacional. Se deixar tudo para a última hora, claro que a pressão da sociedade e do Parlamento será grande para prorrogar de novo o auxílio emergencial de R$ 600”, disse Maia em live.

Inicialmente, a previsão era de que o auxílio emergencial durasse por três meses. Com o avançar da pandemia, o governo se viu obrigado a fazer essa prorrogação pela primeira vez. Criado pela Lei 13.982/20, o benefício pode ter a duração estendida, desde que o valor não seja alterado. Caso contrário, precisa de novo aval do Congresso.

Em live nesta segunda-feira (3), o presidente da Caixa, Pedro Guimarães foi indagado sobre o assunto. “A definição é do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente Jair Bolsonaro. A Caixa operacionaliza os pagamentos. Qualquer que seja a decisão, nós, na Caixa, conseguiremos fazer. Como estamos fazendo o pagamento desde abril, hoje estamos um nível de eficiência muito superior. Estamos pagando por mês, mais de 90 milhões de pessoas”, respondeu.

Até a última atualização do Ministério da Cidadania, o governo já havia aplicado R$ 145,9 bilhões para pagar beneficiários do auxílio emergencial. A previsão é que, sem a prorrogação, o gasto total chegue a R$ 254,2 bilhões.