Foto: Klass Brumann/Flickr

O comissário europeu de Comércio, Phil Hogan, pediu ao governo norte-americano, na última sexta-feira (24), que retire com urgência as tarifas por eles consideradas “ injustificadas” sobre produtos de origem europeia, depois do acordo que findou o conflito comercial entre a Boeing e a Airbus, o qual vinha sendo mediado pela Organização Mundial do Comércio (OMC).

Segundo Hogan, em comunicado, as tarifas aduaneiras que vinham sendo cobradas “não são aceitáveis” e a União Europeia havia feito “propostas específicas para alcançar um resultado negociado” no contexto dessa disputa.

Em outubro de 2019, a OMC autorizou os EUA a imporem tarifas alfandegárias sobre produtos europeus, em um pacote de US$ 7,5 bilhões. Contudo, considerou ilegais os subsídios concedidos à Airbus pelo bloco econômico, pois tais facilitações tinham efeitos adversos sobre a economia americana ao longo dos últimos 14 anos. Desde então, os EUA são acusados de subsidiar a Boeing, e a UE, a Airbus.

Agora, a ameaça que a Comissão Europeia faz é de que poderá fazer “uso pleno dos seus próprios direitos de sanção” caso os EUA não suspendam imediatamente essas tarifas indevidamente cobradas da União Europeia.