Foto: Denis Balibouse / REUTERS

Na última semana, o Brasil e os Estados Unidos submeteram uma proposta na Organização Mundial do Comércio (OMC) em que o princípio de economia de mercado deve valer para todos os membros, a fim de garantir condições equitativas de competição econômica no mercado internacional.

Apesar de não mencionar a China, o alvo, na prática, é Pequim. Essa é mais uma mudança de postura na nova guerra fria entre americanos e chineses. Segundo analistas, o objetivo do presidente americano, Donald Trump, é isolar os chineses, afirmando que não há espaço para coexistência de modelos econômicos tão distintos na OMC.

Para os Estados Unidos, a estratégia foi traçada para satisfazer seus próprios interesses e manter as garantiras contra a concorrência chinesa em alguns setores. As exportações norte-americanas para a China não passam de US$ 10 bilhões. Já o Brasil atinge apenas seu maior parceiro comercial, que compra 70% da soja brasileira. No primeiro semestre de 2020, as exportações brasileiras para a China bateram US$ 34 bilhões, sobretudo em grãos, minérios e carnes. Possivelmente, esse alinhamento brasileiro com os EUA pode comprometer a Embraer, que está prestes a perder uma venda bilionária ao Irã, depois de o Brasil seguir as sanções impostas pelos EUA ao país.

Brasil e EUA sustentam que, na criação da OMC em 1994, o objetivo era fomentar a participação dos países-membros no comércio internacional por meio da abertura econômica e de políticas orientadas ao mercado.