Foto: Reprodução/OCDE

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) publicaram recentemente um estudo afirmando que a disputa comercial entre Estados Unidos e China pode transformar o Brasil no maior produtor de soja do mundo na próxima década.

O novo relatório Perspectivas Agrícolas 2017-2026, divulgado na última quinta-feira (17), estima que a produção mundial de soja continue crescendo, mas em um ritmo menor do que nos últimos anos (cerca de 1,9%, ao invés de 4.9%). O documento também revela que o Brasil, por dispor de mais terras, deve manter o maior crescimento entre os produtores e que na próxima década, o crescimento projetado no Brasil deverá ser mais forte que nos EUA, principalmente devido à possibilidade de expansão da área plantada, em especial por meio da intensificação da cultura através do cultivo duplo de soja com milho. Além disso, as tarifas adicionais introduzidas pela China na soja norte-americana terão um grande impacto na comercialização da soja.

O relatório aponta ainda uma preocupação em relação ao desmatamento e à desfloração na América Latina, alertando pela necessidade de políticas e regulamentações agrícolas e ambientais, bem como de legislação e de vigilância adequada para se evitar um risco de desfloração.