Foto: Exército Brasileiro/Divulgação/JC

Medicamentos em falta no Brasil são essenciais para a intubação de pacientes graves de covid-19

Frente à falta de sedativos e relaxantes musculares nos hospitais brasileiros, o Governo Federal recorreu ao vizinho Uruguai para tentar estabilizar os estoques de hospitais do sul do país. No total, foram 54.867 unidades adquiridas pelo Ministério da Saúde ao preço de R$ 1,5 milhão. A distribuição dos medicamentos comprados foi executada pelas Forças Armadas, que entregaram 42.800 em Porto Alegre (RS) e 12.200 em Florianópolis (SC).

No começo do mês, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), divulgou um levantamento mostrando que das 26 das 27 unidades da federação registravam falta de medicamentos para a intubação de pacientes. O insumo é essencial para a intubação de pacientes e sua falta pode ser fatal.

Além da compra com o Uruguai, o governo também mobilizou empresas farmacêuticas nacionais, que se comprometeram a levantar o que existe em estoque e agilizar a venda a estados e municípios.