Foto: Adriano Machado/Reuters

O presidente Jair Bolsonaro anunciou ontem (16) por meio de live, que “Salles fica e Pazuello fica”, citando a intenção de permanência dos ministros do Meio Ambiente e da Saúde, respectivamente.

No entanto, assessores do presidente informaram ao G1 que há um desgaste internacional causado pelo titular do Meio Ambiente e que pode trazer prejuízos à economia brasileira, sobretudo em relação aos investimentos estrangeiros, que tem cobrado uma mudança na postura do Brasil frente a política ambiental.

Aliados do governo afirmam que Bolsonaro e seus filhos tem afinidade com o ministro e que há resistência a sua troca também por questões ideológicas, assim como foi para tirar Abraham Weintraub da Educação. Por isso, os conselheiros defendem que Salles seja realocado ou ganhe um cargo internacional, estratégia apelidada de “solução Weintraub”.