Foto: Carolina Antunes/PR

A pesquisa DataPoder360 apontou que a avaliação negativa (ruim/péssimo) do governo Jair Bolsonaro oscilou dois pontos para baixo (48% para 46%), índice que está dentro da margem de erro. A avaliação positiva (ótimo/bom), por sua vez, ficou estável em 29%, assim como o percentual regular (20%).

A segmentação da sondagem aponta que a avaliação positiva do governo está mais concentrada entre os homens (34%), faixa etária de 45 a 59 anos (32%) e 60 anos ou mais (32%), habitantes das regiões Norte (37%) e Centro-Oeste (37%), ensino médio como grau de instrução (31%), e sem renda fixa (34%).

Por outro lado, a avaliação negativa é mais localizada entre as mulheres (48%), idade entre 25 a 44 anos (50%), habitantes da região Nordeste (50%), com ensino superior (58%), e renda mensal entre 5 a 10 salários mínimos (58%).

Quando olhamos a amostragem por renda, é possível constatar uma tendência de melhora na popularidade do presidente Jair Bolsonaro. Nota-se que o aumento da avaliação positiva não ocorre apenas entre quem recebe o auxílio emergencial, mas também em faixas de renda que não são beneficiados pela medida.

Entre os entrevistados sem renda fixa, caiu sete pontos (43% para 36%) a desaprovação ao governo. Por outro lado, subiu três pontos (31% para 34%) a aprovação.

No segmento com renda entre 2 a 5 salários, a avaliação positiva subiu dez pontos (21% 31%) nos últimos 30 dias. A avaliação negativa, no entanto, ainda é majoritária (55%).

Na faixa de renda entre 5 a 10 salários, subiu oito pontos (14% para 22%) a aprovação ao governo. A desaprovação é de 58%.

Também cresceu a avaliação positiva entre quem ganha mais de 10 salários. Nesse público, a aprovação ao governo subiu 11 pontos (21% para 32%) nos últimos 30 dias. No mesmo período, a desaprovação caiu de 66% para 55% (11 pontos).