Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Após representação formulada pelo subprocurador-Geral Lucas Rocha Furtado, pedindo imediata suspensão do pagamento do salário de Sergio Moro, que se desligou do ministério da Justiça em abril, o TCU quer ouvir explicações do ex-ministro acerca da suposta quebra de quarentena.

Ao analisar o pedido, o ministro do TCU Bruno Dantas verificou que a procuradoria não apresentou elementos que sugira ou demonstre que a atividade desenvolvida pelo ex-ministro como colunista em veículos de comunicação é, de fato, remunerada.

“Importante, por isso, ouvir o Ministério da Justiça quanto às supostas irregularidades ventiladas na exordial desta representação, bem como o interessado, o ex-Ministro Sérgio Fernando Moro, para que, se assim desejar, apresente manifestação acompanhada de informações acerca de contratos de trabalho, remunerados ou não, que tenha firmado desde que deixou o cargo.”

Para o ministro, a questão merece ser examinada em duas perspectivas: Primeiro acerca da regularidade do recebimento de recursos públicos concomitantemente à existência de outras fontes de subsistência, vez que só se justifica a remuneração na quarentena para que o ex-agente possa se manter afastado de qualquer fonte de conflito de interesses. Em seguida, analisar a natureza do trabalho a ser desempenhado.

Fonte: Migalhas