Foto: Jason Lee/Reuters

A China e a União Europeia são mais parceiras do que concorrentes, relatou o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, em videoconferência realizada com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michael, na última segunda-feira (22). A reunião remota ocorreu após as primeiras negociações entre os chineses e o bloco europeu desde as acusações da UE de que Pequim espalhou desinformação e fake news sobre o novo coronavírus.

Segundo a imprensa estatal chinesa, o primeiro-ministro expressou otimismo na retomada das negociações com o bloco econômico para um acordo de investimentos com a China, em andamento desde 2014 e que, desde 2019, havia a intenção de ambas as partes de concluir as negociações em 2020. O acordo prevê movimentação nas áreas automobilística, biotecnologia e microeletrônica, e que o mercado europeu deve receber mais interações do gigante asiático.

Reuniões de cúpula como essa costuma gerar declarações conjuntas, mas não é esperada uma para essa, dado que Li Keqiang já se manifestou publicamente sobre o assunto ao dizer que a China está disposta a ajudar no desenvolvimento de uma vacina e de novos tratamentos para o combate à Covid-19.