Reconhecemos três linhas estratégicas estabelecidas pela China em sua relação política comercial com a América Latina. Essas três linhas de ação podem ser visualizadas de forma mais clara em três países do continente: Venezuela, Argentina e Brasil.

Na Venezuela, o fato de o país estar em um caos econômico e sem capacidade de executar pagamentos mínimos faz com que a China seja a grande credora em troca de pagamentos via ativos (o petróleo foi a moeda utilizada por muito tempo até que a capacidade de produção da PDVSA despencou).

Além disso, a Venezuela disponibilizou vários outros ativos no país como garantidores dos empréstimos feitos. Grandes propriedades rurais, por exemplo, são consideradas como garantias. Para um país que tem fechado o acesso a capital , só resta à Venezuela pagar com ativos no médio prazo.

A Argentina se encontra em uma situação intermediária. Apesar do empréstimo do FMI, o país sofre para conseguir pagar sua dívida, seus credores e investir no país. Para a China, entrar com linhas de financiamento na Argentina é muito interessante.

Ao contrário da Venezuela, a Argentina possui um parque industrial avançado, fazendas produtivas e uma forte produção de carne bovina. Além disso, Vaca Muerta e linhas de transmissões de energia são oportunidades que fazem brilhar os olhos dos chineses.

Oferecendo linhas de crédito com taxas de juros baixas, a China consegue abertura do governo local para participar de projetos e comprar empresas, obtendo concessões que representam uma vantagem estratégica. A construção da usina nuclear de Atucha III, com capital e tecnologia chinesa, é um desses grandiosos projetos em vias de implementação.

Além disso, a Argentina cogita buscar na China dinheiro para financiar sua dívida com credores e/ou com o FMI. Naturalmente, isso aumentaria a boa vontade do governo argentino para ampliar as ofertas aos chinesas, bem como abrir mais possibilidades de participações em concessões estatais.

No Brasil, a situação é diferente. Há uma super dependência comercial, mas não há problema de capital ou necessidade de financiamento. E ainda não temos dívidas com organismos ou credores internacionais que pressionem por uma maior abertura aos chineses.

Assim, a estratégia chinesa deve se assemelhar à estratégia de americanos e europeus: participar de licitações e realizar aquisições e fusões sem a intermediação do governo no processo. Como não há necessidade de financiamento, não existem ativos garantidores que possam se tornar chineses.

No entanto, a dependência comercial gera um ponto interessante : o receio de retaliação na compra de commodities brasileiros faz com que o governo brasileiro se encontre em uma encruzilhada em relação a participação da Huawei no leilão do 5G .

Excluir a empresa do leilão, como cogitado, poderia gerar retaliações nas áreas de agronegócio e minérios, ou até o impedimento no aumento das importações, mesmo que momentâneo, afinal a China depende desses produtos), gerando temor na bancada ruralista, aliada do governo na Câmara.

Como dizia o velho ditado: “pra cada caso, é um caso” e isso se aplica à perfeição nessa situação no continente. A China ainda demonstra dificuldade para entender que não existe um comportamento “latino-americano”. Cada país possui uma dinâmica própria.

A Nova Guerra Fria com os EUA terão um impacto significativo na região, principalmente em países que são mais sólidos economicamente, como o Brasil. Nos países em dificuldade, a recusa de financiamento chinês não ocorre, enquanto a oferta de linhas de crédito por parte dos EUA não deverá ocorrer tão cedo na mesma robustez das oferecidas por Pequim.

Assim, temas mais técnicos, como a Huawei, e geopolíticos, como cadeias de produção, trarão ao Brasil um pouco da tensão existente entre EUA e China.

Publicado no Correio Braziliense em 20 de junho de 2020

Artigo anteriorChina intensifica controle sanitário sobre importações de carnes
Próximo artigoPM de SP passará por novo treinamento após atos violentos
Thiago de Aragão e sociólogo, Mestre em Relações Internacionais pela Universidade Johns Hopkins, Pesquisador Associado do Instituto Frances de Relações Internacionais e Estratégicas e Diretor de Estrategia da Arko Advice. Nos últimos anos, Thiago liderou projetos estratégicos para vários clientes nacionais e internacionais. Ao longo dos últimos anos, palestrou em vários países, por meio de convites de governos, universidades e fóruns. Recebeu em 2013 a medalha de honra ao mérito do Governador-Geral do Canada e em 2016 foi escolhido como Jovem Liderança do Ano pelo Governo da Franca.