Foto: Getty Images

A tensão econômica entre a China e a Austrália se intensificaram nos últimos dias, puxada pela pandemia de coronavírus, que ameaça um fluxo de dinheiro bilionário. Tudo começou quando a Austrália solicitou uma investigação internacional independente acerca das origens do novo coronavírus.

Enquanto a Austrália se prepara para a reabertura econômica pós quarentena e está a beira da primeira recessão em quase 30 anos, a China barrou parcialmente a importação de carne bovina australiana. Em seguida, impôs 80% de tarifas à cevada australiana.

Por fim, a China aconselhou seus cidadãos a evitarem viagens para a Austrália, afirmando haver um aumento de ataques racistas contra asiáticos. O terceiro e o quarto maiores mercados estrangeiros da Austrália são, respectivamente, educação e turismo. Os estudantes chineses somam 28% dos estudantes internacionais do país australiano.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morisson, declarou que “Nunca nos deixaremos intimidar por ameaças ou negociaremos nossos valores em resposta à coerção, venha de quem vier”. Para Kerry Brown, especialista em política chinesa, os dois países se expuseram diplomaticamente.