Alina Souza/Palácio Piratini

Após a portaria (13.474/20) do Executivo que transfere R$ 83,9 milhões do Bolsa Família para ações da Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República, seis propostas de decreto legislativo querem sustá-la.

Diversos parlamentares se manifestaram contrários às transferências, por afirmarem que a medida é injustificável e ultrajante e não atende aos interesses públicos e coletivos.

Já o secretário especial da Fazenda, Walderly Rodrigues, afirmou que nenhum dos beneficiários do Bolsa Família foi prejudicado. Os recurso serão destinados à publicidade institucional. Quando questionado por quê não para ações relacionadas ao Covid-19, Rodrigues afirmou que o ministério da Economia atende demandas setoriais.