Foto: Divulgação

Após a morte de George Floyd, homem negro desarmado, que foi asfixiado por um policial branco de Minneapolis que o sufocou com o joelho durante a abordagem, mais de 140 cidades norte-americanas realizaram atos contra o racismo e a violência policial.

Os protestos também se alastraram por outras capitais do mundo, como Londres e Berlim, além de despertarem o debate sobre o racismo institucional na mídia tradicional e nas redes sociais. Segundo a CNN Brasil, cerca de 4 mil pessoas foram presas em várias partes dos EUA durante os atos, que se tornaram violentos. Outras 4 pessoas morreram durante o confronto.

Na cidade de Seattle, o condado de King, no estado de Washington, decretou estado de emergência nesta segunda-feira (1), em função da “violência e dos roubos associados em alguns protestos locais”.

O presidente Donald Trump, afirmou neste domingo (31) que o grupo antifascista Antifa seria classificado como uma organização terrorista. A polícia local afirma que supremacistas brancos e pessoas ligadas a Antifa estariam se infiltrando nos protestos e fomentando atos de vandalismo.