Foto: Leonardo Sá/Agência Senado

Embora o presidente da República, Jair Bolsonaro, tenha vetado o auxílio emergencial de R$ 600 para agricultores familiares que não constam no Cadastro Único, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, afirmou que eles continuam no radar para receber o benefício. Ela destacou que o governo está analisando uma possível extensão do projeto para atender os mais vulneráveis.

De acordo com a ministra, a pasta está tentando elevar o montante de crédito emergencial para médio produtor, que atualmente é de R$ 40 mil para pagamento em três anos, com um ano de carência.

No Rio Grande do Sul, as famílias que dependem da agricultura já sentem o impacto da quebra de safra em função da estiagem. Segundo a federação dos trabalhadores na agricultura do RS, aproximadamente 720 mil produtores poderiam receber o auxílio, se estivessem no programa. Por meio de nota, o Ministério da Cidadania afirmou que liberou R$ 500 milhões para compras no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), com o objetivo de socorrer esses produtores locais.

No entanto, Bolsonaro anunciou que o governo irá prorrogar o auxílio emergencial para trabalhadores informais, que foi criado para durar por três meses. Ele conversou com o ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre uma quarta parcela do benefício, que teria valor abaixo de R$ 600. Ainda não foi definida uma quantia e nem até quando o benefício seria prorrogado.