Imagem: Ananda Migliano/O Fotográfico

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o prefeito da capital paulista, Bruno Covas (PSDB), tentam, talvez, a última alternativa para evitar o “lockdown”, a mais radical das medidas restritivas.

Na semana passada, a Câmara Municipal de São Paulo antecipou os feriados de Corpus Christi (celebrado em junho) e Consciência Negra (novembro), para a quarta (20) e quinta (21). Além disso, na última sexta-feira (22) foi ponto facultativo. E a Assembleia Legislativa, por sua vez, aprovou a antecipação do feriado de 9 de julho para esta segunda-feira (25).

A antecipação dos feriados ocorre em meio a queda do isolamento social, que continua abaixo dos 50% em muitas cidades, sobretudo na capital, epicentro da pandemia. Paralelamente a isso, o sistema de saúde está perto do colapso. As Unidades de Tratamento Intensivo (UTI’s), por exemplo, estão com 91% de sua capacidade ocupada na capital.

O feriadão foi anunciado após o fracasso do megarodízio em São Paulo, uma vez que o índice de isolamento não subiu, ficando abaixo de 50% nos dias úteis. Vale lembrar também que, outra medida adotada por Covas, a criação de bloqueios em corredores da capital, já não havia funcionado.

Apesar das críticas que Doria e Covas vem sofrendo no setor privado, o governador declarou na última quarta-feira (20), que se os índices de coronavírus piorarem no Estado, “seremos obrigados a adotar o lockdown”.

Enquanto isso, cresce a pressão do setor privado. O presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf, afirmou que antecipar feriados para diminuir o isolamento é um equívoco. Segundo ele, a medida causa confusão para as empresas e pessoas, sem reduzir riscos.

Tanto João Doria quanto Bruno Covas estão bastante pressionados. Com o aumento de contaminados e mortos por coronavírus, a pressão dos especialistas em saúde pelo adoção do lockdown será cada vez mais intensa.

Por outro lado, o setor privado e os prefeitos também pressionarão Doria e Covas para resistir à adoção de medidas radicais de isolamento social. Isso sem falar na pressão que o presidente Jair Bolsonaro e seus seguidores continuarão fazendo em favor da reabertura da economia.

Independente da decisão de Doria e Covas – adotar ou não o lockdown– as reações serão imediatas, seja por parte da comunidade médico-científica ou dos setores econômicos. Neste momento, caso tenham que optar, a tendência é a adoção do lockdown, afinal de contas o governador e o prefeito têm abraçado com veemência em seus pronunciamentos “a defesa da vida”.

Como o Estado de São Paulo responde mais de 33% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, a reação do governo federal, assim como dos empresários, deve ser significativa. Tal decisão pode ainda gerar atritos no relacionamento dos prefeitos do interior com Doria.

Artigo anteriorEm março, Brasil teve maior fuga de capital desde 1995
Próximo artigoGoverno retira incentivo fiscal de empresas aéreas
Bacharel em Ciência Política pela Ulbra-RS. Analista político da Arko Advice Pesquisas e Consultor político e de Marketing Eleitoral formado pela Associação Brasileira dos Consultores Políticos (ABCOP). Possui MBA em Marketing Político, Comunicação e Planejamento Estratégico de Campanhas Eleitorais pela Universidade Cândido Mendes. Concluiu também os seguintes cursos de extensão: "A Nova Cartografia do Poder, a política brasileira da era digital" (PUC-SP); "WhatsApp em Campanhas Eleitorais (PUC-RJ)"; e "Mídias Sociais e Gestão Estratégica de Campanhas Políticas Digitais (PUC-RJ)".