Foto: Getty Images/iStockphoto

De acordo com matéria do jornal Estado de S. Paulo, após o Brasil ter rompido a marca de mais de mil mortes diárias causadas pela Covid-19, a Organização Mundial da Saúde informou que a América do Sul, puxada pelo Brasil, é o novo epicentro da pandemia.

Por conta disso, a imprensa estrangeira vem divulgando imagens dos cemitérios e hospitais do país, abordando a gravidade da doença na região. A percepção do exterior é marcada pelo pessimismo e, segundo o último relatório do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, em inglês), “os investidores gostariam de ver o governo no comando da situação”.

O IIF reúne bancos de investimento, fundos e bancos centrais de 70 países. De acordo com seu relatório, em março o Brasil registrou a maior fuga de capital – em um mês – desde 1995. O economista-chefe do IIF, Robin Brooks, a pandemia se tornou uma “crise de confiança”.

Desde o início de 2020, o real foi a moeda com maior desvalorização no mundo. A queda ante o dólar foi de 45% e a moeda americana quase encostou os R$ 6. Enquanto isso, o indicador de nível de risco país, chamado Credit Default Swap (CDS), subiu mais de 250%.