Foto: Marcos Corrêa/PR

O procurador-geral da República, Augusto Aras, solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) por meio de um ofício de três páginas, para interrogar os ministros citados no depoimento do ex-ministro Sergio Moro como testemunhas das interferências do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal.

De acordo com os repórteres Aguirre Talento e Bela Megale, do jornal O Globo, o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, o ministro do GSI, Augusto Heleno e o ministro Walter Braga Netto, da Casa Civil, foram citados. Moro entregou à PF os diálogos que teve com o presidente nos últimos 15 dias antes das acusações. Aras também pediu o interrogatório da deputada Carla Zambelli (PSL-SP), que tentou convencê-lo a aceitar a demissão do então diretor-geral da PF, Maurício Valeixo.

O PRG também solicitou, como diligência, o envio do documento com pedido de exoneração de Valeixo encaminhado a Bolsonaro, bem como os comprovantes de autoria e integridade das assinaturas digitais, uma vez que Moro afirmou não ter assinado o documento.

Por fim, Aras solicita a obtenção de provas diretamente no Planalto. Ele pediu a cópia de uma gravação de vídeo da reunião do dia 22 de abril, descrita por Moro como a ocasião em que Bolsonaro possivelmente cobrou a demissão de Valeixo e afirmou interesse em interferir na PF.