Foto: Charles Sholl/Estadão Conteúdo

Um fato que tem chamado atenção nas tradicionais entrevistas coletivas diárias concedidas pelo governador João Doria (PSDB) sobre a atualização da situação do coronavírus em São Paulo (SP) é a constante presença do prefeito da capital, Bruno Covas (PSDB).

Covas aposta na dobradinha com Doria, que tem se destacado nacionalmente através de sua atuação, para também crescer politicamente na crise.

Candidato à reeleição, a pandemia do coronavírus abre uma oportunidade para que Bruno Covas ganhe protagonismo. Cidade do país mais afetada pela Covid-19, Covas, através dos bilionários investimentos na área da saúde, pretende responder a principal demanda da opinião pública paulistana.

Ao priorizar os investimentos em saúde e ter se mudado para a Prefeitura, onde colocou uma cama ao lado de sua mesa de trabalho, Bruno Covas se apresenta como um prefeito que não mede esforços e trabalha incessantemente, mesmo diante do tratamento de um câncer.

Ao lado de João Doria, Covas teve grande destaque na construção dos hospitais de campanha no Anhembi e no Pacaembu.

Porém, os desafios estão apenas começando para o prefeito. Com o coronavírus avançando sobre as periferias da cidade, o risco de superlotação do Sistema Único de Saúde (SUS) cresce a cada dia. Segundo informações do hospital Emílio Ribas – considerando de referência – não há mais vagas.

Enquanto aposta na parceria com o Palácio dos Bandeirantes para esta grave crise na saúde, Bruno Covas também se alinha com a política de Doria de defender sem concessões a política de isolamento social, que foram ampliadas na última sexta-feira (17) até o dia 10 de maio.

Mesmo com tantos desafios pela frente, a pré-candidatura de Covas à reeleição mudou de patamar. Depois da repercussão de seu tratamento contra um câncer ter gerado solidariedade nacional, tornando o prefeito bastante conhecido, o alinhamento com João Doria na crise do coronavírus combinado com a postergação do debate eleitoral podem beneficiar Bruno Covas.