Foto: Croce Rossa Italiana

Para a aviação mundial, o cancelamento dos vôos entre a Europa, menos Reino Unido

Para a aviação mundial, o cancelamento dos vôos entre a Europa, menos Reino Unido, e os Estados Unidos terá um efeito mais grave no setor do que o atentado das torres gêmeas em Nova York. Os prejuízos potenciais estimados ultrapassam a 140 bilhões de dólares. Mas há quem considere que pode ser ainda maior. Inclusive causando a quebra de empresas áreas. O setor deverá viver a pior crise de sua história.
Apenas a Lufthansa, uma das maiores do mundo, colocou no solo 1/4 de sua frota. No Brasil, os cortes de vôos deverão – no cenário imediato – chegar a 30% . Com ênfase nos voos internacionais. As autoridades brasileiras já estão em contato com as empresas aéreas frente ao cenário desastroso que se apresenta. Uma medida provisória para o setor pode ser editada hoje ou nos próximos  dias visando minimizar o impacto da epidemia no setor.
Compartilhe
Artigo anteriorExportações chinesas despencam 17,2%
Próximo artigoBolsas de Valores do mundo enfrentam pior dia em 33 anos
Murillo de Aragão é advogado, jornalista, professor, cientista político e presidente da Arko Advice Pesquisas e sócio fundador da Advocacia Murillo de Aragão. É Formado em Direito pela Faculdade de Direito do Distrito Federal (UniCEUB), é mestre em Ciência Política pela Universidade de Brasília e doutor em Sociologia (estudos latino-americanos) pelo Ceppac – Universidade de Brasília. Entre 1992 e 1997 foi pesquisador associado da Social Science Research Council (Nova York). Foi membro do “board” da International Federation of the Periodical Press (Londres) entre 1988 e 2002. Foi pesquisador da CAPES quando doutorando no CEPAC/UnB. É membro da Associação Brasileira de Ciência Política, da American Political Science Association, da Internacional Political Science Association, da Ordem do Advogado do Brasil (Distrito Federal) e do IBRADE - Instituto Brasileiro de Direito Eleitoral. Foi membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República (2007 - 2018). Como membro do Conselho, foi chefe de delegações do organismo na Rússia , BRICs e Comunidade Européia. Como palestrante e analista político, Murillo de Aragão proferiu mais de duas centenas de palestras, nos últimos 20 anos, em Nova York, Miami, Londres, Edimburgo, São Francisco, San Diego, Lisboa, Washington, Boston, Porto, Buenos Aires, Santiago, Lima, Guatemala City, Madrid, Estocolmo, Milão, Roma , Amsterdã, Oslo, Paris, entre outras, para investidores estrangeiros sobre os cenários políticos e conjunturais do Brasil. Aragão lecionou as matérias “Comportamento Político” e “Processo Político e Legislação” no Departamento de Ciência Política da Universidade de Brasília. Foi professor visitante da Universidad Austral, Buenos Aires e consultor do Banco Mundial. É professor-adjunto da Columbia University (Nova York) . Em 2017, foi convidado para ser professor-adjunto na Columbia University (Nova York) onde leciona a cadeira “Sistema Político Brasileiro”. É autor e autor do seguintes livros: Grupos de Pressão no Congresso Nacional (Maltese, 1992), ‘Reforma Política – O Debate Inadiável (Civilização Brasileira, 2014) e Parem as Maquinas (Sulina, 2017). É colunista de opinião da revista Isto É, e do jornal, O Estado de São Paulo.