Foto: Tom Brenner/Reuters

Os presidentes do Brasil e dos Estados Unidos, Jair Bolsonaro e Donald Trump, se reuniram na noite de sábado (7), durante um jantar em um resort na Flórida.

O encontro serviu para alinhar as conversas entre os dois países. Acompanhados por membros da equipe de governo, assessores e jornalistas, os dois políticos conversaram sobre alguns temas de interesse dos dois países, como os potenciais benefícios da ampliação das relações econômicas bilaterais.

Na madrugada do domingo (8), o Itamaraty divulgou nota em que trata o aprofundamento da parceria como uma “aliança estratégica” entre os dois países, incluindo a entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Os dois presidentes também discutiram acelerar a participação do Brasil no programa de Operadores Econômicos Autorizados, que agilizará o comércio entre os dois países ao garantir a segurança dos bens importados, com objetivo de entrada no programa em 2021.

Também no domingo (8) foi assinado o Acordo de Pesquisa, Desenvolvimento, Teste e Avaliação (RDT&E, na sigla em inglês). A assinatura foi feita por Bolsonaro, pelo chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas do Brasil, Tenente-Brigadeiro Botelho, e pelo comandante do Comando Sul dos Estados Unidos, Almirante de Esquadra Craig Feller. Dos ministros brasileiros, participaram da cerimônia: Fernando Azevedo e Silva (Defesa), Ernesto Araujo (Relações Exteriores), Bento Albuquerque (Minas e Energia) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional).

O acordo, que não impede os dois países de celebrar qualquer outro acordo na área de pesquisa, desenvolvimento, teste e avaliação, ainda precisará ser aprovado pelo Congresso Nacional, da mesma maneira como o que ocorreu com o acordo para uso da base de Alcântara, no Maranhão.

A previsão é de que Bolsonaro permaneça nos Estados Unidos até terça-feira (10), retornando ao Brasil na quarta-feira. Integram a comitiva brasileira, além do presidente e assessores próximos, os ministros Ernesto Araújo, Fernando Azevedo e Silva e Augusto Heleno, Bento Albuquerque, além do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).