Foto: Divulgação

Os sinais de que o apresentador da TV Bandeirantes, José Luiz Datena, estará presente na disputa de outubro pela Prefeitura de São Paulo são cada vez mais fortes.

Na próxima quarta-feira (4), ele se filiará ao MDB no diretório nacional do partido em Brasília (DF). O ato político terá repercussão nacional não apenas por ocorrer na capital federal, mas também pelo fato do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ter confirmado presença no evento.

Em recente entrevista concedida ao “Estadão”, Datena disse que o presidente Jair Bolsonaro está “completamente dispensado de me apoiar”. Também admitiu a possibilidade de ser candidato a vice na chapa do prefeito e candidato à reeleição, Bruno Covas (PSDB).

Ao contrário de disputas anteriores quando se filiou a partido político, mas depois desistiu de ser candidato, a tendência é que Datena participe das eleições na capital paulista. A incógnita é saber qual cargo irá disputar e ao lado de quem.

A filiação ao MDB via cúpula nacional do partido, hoje presidido pelo deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP), combinado com a presença de Rodrigo Maia sinaliza um certo distanciamento em relação ao do presidente da FIESP, Paulo Skaf, que mesmo sendo hoje a principal liderança do MDB no Estado, está atrelado ao presidente Jair Bolsonaro e deverá migrar para a Aliança pelo Brasil, partido que está sendo criado pelo presidente da República.

Após ser considerado uma opção do bolsonarismo na eleição em São Paulo, a tendência é que Datena apareça com uma alternativa de centro na capital paulista.

Ao ingressar no MDB, Datena entrará na bolsa de apostas como pré-candidato à prefeito, principalmente porque seu nome aparece muito bem posicionado nas pesquisas de intenções de voto.

Ao mesmo tempo, também não deve ser descartada a possibilidade de José Luiz Datena ser o vice de Bruno Covas, pois PSDB e MDB são próximos na capital. Aliás, hoje essa é a maior possibilidade, visto que o projeto prioritário de Datena é ser candidato ao Senado em 2022.

A eventual aliança com Covas seria estratégica para os interesses eleitorais do prefeito, do governador João Doria (PSDB), e também do chamado centro político visando o pleito de 2022. Caso Datena seja o vice de Bruno Covas, o presidente Jair Bolsonaro ficará sem opção de candidato eleitoralmente viável em São Paulo.

Mais do que isso, a chapa Covas-Datena agregaria ao prefeito parte importante do eleitorado conservador que hoje respalda a pré-candidatura do apresentador da TV Bandeirantes.

Outra possibilidade é José Luiz Datena liderar uma composição unindo MDB e DEM em torno de uma nova alternativa de centro dissociada dos tucanos.

Conforme podemos observar, o fator Datena terá um grande peso sobre os rumos da eleição na capital paulista, podendo representar um fôlego para o centro, que desde as eleições de 2018 tenta encontrar seu rumo.

Por outro lado, representa um revés para o bolsonarismo, que após o rompimento do presidente Jair Bolsonaro com os deputados federais Alexandre Frota (PSDB-SP) e Joice Hasselmann (PSL-SP), também caminha para perder Datena.