Foto: Arquivo/Agência Brasil

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), não aceitou o pedido do Ministério Público Federal (MPF) e aprovou, nesta quarta-feira (19) a operação de joint venture entre Boeing e Embraer.

O relator do processo administrativo, Luiz Hoffmann, considerou que a participação do MPF em casos de atos de concentração no Cade é vedada pelo Legislativo. A aprovação da operação entre as empresas concluiu que elas não concorrem nos mesmos mercados e que, por isso, não há riscos concorrenciais em decorrência da venda.

Segundo o Cade, a operação beneficia a Embraer, que se torna o primeiro parceiro estratégico da Boeing. A divisão ainda permite que a Embraer conte com a cooperação tecnológica e comercial da Boeing.

Compartilhe