Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, falou nesta segunda-feira (25) sobre a possibilidade de um novo AI-5 em caso de manifestações contrárias ao governo. O Ato Institucional nº 5 foi considerado por historiadores o ato mais duro da ditadura militar no Brasil, que fechou o Congresso Nacional, as assembleias legislativas estaduais, suspendeu garantias constitucionais e abriu espaço para perseguições políticas. O mesmo havia sido citado por Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) no fim de outubro. 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou a afirmação do ministro e disse que tais declarações geram insegurança tanto na sociedade quanto nos investidores e que não há sentido em usar esse termo. 

“Vamos estimular o fechamento do Parlamento, [a suspensão] dos direitos constitucionais do cidadão, como o habeas corpus, é isso que queremos? Tendo uma manifestação de rua, a gente fecha as instituições democráticas?”, questionou Maia, ao criticar Guedes.

Compartilhe