Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O jornal Valor Econômico conversou com o ministro de Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo que revelou ter ficado preocupado com o futuro do Mercosul após uma série de tuítes de Paula Español, conselheira econômica do presidente eleito Alberto Fernández e cotada como futura secretária de Comércio Exterior da Argentina.

No Twitter, Español postou uma série de elogios às medidas protecionistas tomadas pelo governo de Cristina Kirchner, comemorou o “ Lula Livre” e condenou o que chamou de “ fetiche pela abertura comercial e critica o acordo União Europeia-Mercosul”.

Para Araújo, aparentemente há na Argentina uma visão profunda que vai contra os postulados básicos do Mercosul e afirmou ainda que o governo ainda não foi procurado por Fernández (presidente eleito da Argentina) ou qualquer auxiliar. “Na nossa transição [de governo], no fim do ano passado, houve dúvidas sobre a utilidade do bloco. Apostamos no Mercosul e isso vinha dando certo com a Argentina do Macri. Não podemos dizer que é um projeto inquestionável, que vai durar para sempre, aconteça o que acontecer”, disse Araújo. O ministro também afirmou que se projeto (do bloco) fosse desvirtuado ele precisaria ser repensado. Nesse contexto, o governo brasileiro está trabalhando com possíveis cenários e alternativas em relação ao Mercosul, e que embora não seja a primeira opção, a saída do bloco é cogitada.

Compartilhe