Pedro Ladeira/Folhapress

Nesta quinta-feira (24), o Supremo Tribunal Federal deu continuidade ao processo sobre prisão logo após segunda instância e seus aparatos legais. O posicionamento da ministra Rosa Weber era um mistério entre a Corte e pode ser decisivo no resultado final. 

A ministra se posicionou quanto a necessidade de trânsito em julgado, isto é, fim dos recursos para que seja cumprida a pena. Os ministros Marco Aurélio e Ricardo Lewandowski também se votaram contra a prisão em segunda instância. Já os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso e Luiz Fux votaram a favor. 

Ainda faltam 4 votos sendo que, destes, três se pronunciaram contra a pauta em outras ocasiões, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Dias Toffoli. A tendência, então, é pela mudança na jurisprudência vigente desde 2016. O julgamento foi suspenso por conta do horário e terá continuidade no início de novembro, pois o STF não realizará sessões na semana que vem.

Compartilhe