Divulgação/Ministério da Economia

Ocorreu na quinta-feira, 17, a 13ª reunião do Comitê Conjunto em Comércio, Promoção de Investimentos e Cooperação Industrial Brasil-Japão. O encontro contou com a participação do secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa.

Também participou da reunião o vice-ministro de Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Comércio Exterior e Indústria do Japão (METI), Shigehiro Tanaka, que falou sobre os pontos de convergência entre as duas economias, e afirmou o apoio japonês à entrada do Brasil como membro da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Tanaka lembrou que o Japão já tem acordos comerciais com 17 países para incentivar o crescimento econômico por meio dos fluxos de comércio, e deseja que o Brasil também se torne um parceiro nesse quesito.

O estoque de investimentos japoneses no Brasil em 2016 (última atualização) foi de aproximadamente US$ 25 bilhões. Os principais segmentos a receber os aportes foram fabricação e montagem de veículos, reboques e carrocerias; atividades anexas e auxiliares do transporte e agências de viagem; fabricação de artigos de borracha e plástico; fabricação de produtos alimentícios e bebidas, entre outros.

Integraram a delegação brasileira o secretário de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação do Ministério da Economia, Gustavo Ene; o secretário-adjunto de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Leonardo Lahud; e o subsecretário de investimento estrangeiro da Secretaria-Executiva da Câmara de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Renato Baumann; além da presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), Angela Flores;  e do presidente do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), Claudio Vilar Furtado.

Compartilhe