Arquivo/EBC

A PGR – Procuradoria Geral da República busca “saída honrosa” para o procurador Deltan Dallagnol que, pelo seu lado, continua atuando mais como “lobbista” do pacote anti-crime e defensor do “lavajtismo” do que como procurador da Operação Lava-Jato.

A busca pela saída honrosa se dá pela certeza de que uma eventual punição no âmbito do Conselho Nacional do Ministério Público iria enfraquecer ainda mais a já combalida imagem da PGR.

O afastamento de Dallagnol de seu cargo já havia sido pedido pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O Conselho Nacional do Ministério Público o investiga por atuação incompatível como cargo. Pelo seu lado, Dallagnol contra-ataca dizendo que a tentativa de punição é uma forma de calar a Operação Lava-Jato.

O fato é que a maneira quase que espalhafatosa que atua e sua vocação de mediatizar sua atuação judicial se revelam, para muitos das elevadas esferas do Judiciário,  incompatíveis com o cargo. No âmbito do STF, salvo uns poucos ministros, sua atuação é objeto de severas críticas.

 

Compartilhe