Sérgio Lima/Folhapress

O imbróglio da reforma tributária continua em Brasília. O Congresso Nacional vem debatendo o tema desde abril deste ano, com a apresentação da reforma tributária na Câmara dos Deputados (PEC 45/2019), sem levar em consideração todo o debate sobre a reforma durante o governo Temer. Desde lá, já tivemos a apresentação da reforma tributária do Senado Federal (PEC 110/2019), uma série de audiências e reuniões, secretário sendo demitido e várias outras coisas.

A situação é a seguinte: no Senado, a PEC 110/2019 aguarda deliberação do parecer do relator na CCJ, Senador Roberto Rocha. Há um claro movimento dos senadores de levar os “créditos” pela aprovação, assim como a Câmara teve na aprovação da previdência. Como a questão federativa é o principal entrave, com os interesses e as realidades regionais sendo o pivô da divergência, é defendido que o Senado é a Casa ideal para centralizar o debate.

Já na Câmara, a PEC 45/2019 foi aprovada rapidamente na CCJC e agora está na Comissão Especial, em período de audiência pública. O relator, Dep. Aguinaldo Ribeiro, disse que pretende apresentar o seu parecer agora no mês de outubro, mas estamos na quarta prorrogação do prazo de emendas, que regimentalmente era de 10 sessões, mas agora é até o dia 10 de outubro.

Em ambas as casas ainda é necessário a aprovação, por maioria simples, dos pareces dos relatores nas respectivas comissões (CCJ ou Comissão Especial) e depois a apreciação pelo Plenário, sendo necessária a aprovação por 3/5 em dois turnos.

Além desses aspectos, há outras variáveis que embaralham o jogo:

  • até hoje o governo não apresentou claramente sua ideia de reforma tributária e muito menos sua proposta oficial. Vale ressaltar que Marcos Cintra foi demitido após declarar que o governo era a favor de um imposto parecido com a CPMF e Paulo Guedes vem travando uma batalha dentro do governo para colocar ou não o mesmo imposto;
  • o governo constantemente diz que vai apresentar “na próxima semana” a sua proposta, o que causa uma expectativa ao processo e acaba atrasando;
  • a possibilidade de criação de uma comissão mista especial para tratar sobre reforma tributária, para dar destaque no debate tanto a deputados como a senadores. Mas não há previsão regimental para instalação desse tipo de comissão para apreciação de PEC;

Além disso, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, começou dizendo que queria aprovar a reforma tributária ainda este ano, mas recentemente declarou que a sua expectativa é que o texto seja aprovado em apenas uma das Casas.

A expectativa é de que Rogério Marinho assuma a interlocução da negociação e agilização da reforma no Congresso. Se for efetivo, ele já pode até pedir música no fantástico, terá emplacado a aprovação da trabalhista, previdenciária e agora a tributária.

Por fim, o que se fala nos corredores da Câmara é que a Reforma Tributária é igual a seleção brasileira de futebol: todo mundo torce a favor, mas cada um tem uma escalação diferente.

Compartilhe
Artigo anteriorMP permite venda de bens apreendidos no tráfico de drogas
Próximo artigoNa política externa, vão mal as apostas de Bolsonaro
Pedro Leal é Jornalista e Cientista Político, formado pela Universidade de Brasília. Trabalha na Arko Advice há mais de dois anos, atualmente como analista político com foco em inteligência no legislativo e mapeamento de stakeholder. Tem experiência no atendimento de fundos de investimento internacionais, associações de classe e multinacionais. Foi um dos coordenadores do Projeto Politeia, projeto de simulação do processo legislativo da Câmara dos Deputados e UnB.