Reprodução

Representantes dos países do Mercosul e da Coreia do Sul estarão reunidos a partir desta segunda feira (30) até a sexta-feira (4 de outubro) na cidade sul-coreana de Busan durante a IV Rodada de Negociações do Acordo de Livre Comércio Mercosul-Coreia do Sul.

A exemplo do que fizeram nas três rodadas já realizadas, os representantes do governo brasileiro presentes ao encontro desta semana em Busan vão insistir na necessidade de que o documento a ser firmado possibilite uma expressiva diversificação da pauta exportadora brasileira para os sul-coreanos, hoje bastante concentradas nos produtos básicos, de menor valor agregado. Os negociadores brasileiros vão reiterar a importância da abertura de espaços para a colocação de produtos industrializados brasileiros no mercado do país asiático.

O intuito é que as conversas auxiliem no andamento das negociações para que estas sejam concluídas no meio do próximo ano. A mesma previsão já havia sido dada pelo embaixador coreano no Brasil, Chan-Woo Kim, no começo do mês de setembro.

A expectativa no governo brasileiro é de que com a assinatura do acordo poderá haver um aumento significativo no fluxo de comércio entre o Brasil e a Coreia do Sul.

Os cinco principais produtos exportados para a Coreia do Sul foram itens da categoria básicos: minério de ferro (US$ 390 milhões), farelo de soja (US$ 365 milhões), milho em grãos (US$ 287 milhões), carne de frango (US$ 149 milhões) e etanol (US$ 114 milhões).

A Coreia do Sul exportou para o Brasil produtos industrializados em sua quase totalidade (99,3% do total embarcado), no valor de US$ 3,25 bilhões nos oito primeiros meses do ano. Nesse período, os principais produtos exportados pelos sul-coreanos foram circuitos integrados e microconjuntos elétricos (US$ 829 milhões), partes e peças para veículos e tratores (US$ 297 milhões), motores para veículos (US$ 139 milhões), partes de aparelhos transmissores ou receptores (US$ 126 milhões) e polímeros de etileno (US$ 98 milhões).

Compartilhe