Agência Brasil/Fernando Frazão

Dois integrantes do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), não serão reconduzidos, decidiu o plenário do Senado, nesta terça-feira (18). Lauro Machado Nogueira e Dermeval Farias votaram contra o processo administrativo disciplinar do procurador Deltan Dallagnol, que coordenou a força-tarefa da Lava-Jato no MPF do Paraná. 

A recondução foi negada por 36 votos contra, 24 a favor e uma abstenção. Foram apresentadas três reclamações contra Dallagnol no CNMP. Uma pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, outra pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) e a última por conselheiros da Ordem dos Advogados do Brasil. O CNMP negou por unanimidade no último dia 10, o afastamento preventivo de Dallagnol de seu cargo, solicitado por Renan Calheiros. 

“Trapaceando para burlar as próprias limitações legais, o Deltan Dallagnol maquinou um conluio com um partido político para perseguir o ministro do Supremo Tribunal Federal através de uma ação de descumprimento de preceito fundamental e caracterizando a atividade político-partidária do Ministério Público Federal, utilizando um partido político como laranja, para cassar um ministro do Supremo Tribunal Federal”, afirmou Calheiros.