Foto: Nelson Jr./ASCOM/TSE

A tecnologia de criptografia será implementada na cadeia de segurança da urna eletrônica. A cadeia de segurança permite que somente softwares desenvolvidos e assinados digitalmente pelo Tribunal Superior Eleitoral sejam executados nas urnas.

Agora, o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), que é a Autoridade Certificadora Raiz da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil), irá reforçar as chaves criptográficas do sistema. 

“Com tal certificação, os partidos políticos e demais interessados terão meios ainda mais confiáveis para aferir os dados gerados pelas urnas eletrônicas a partir do modelo 2020, conferindo maior transparência nas eleições”, afirmou o Secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Giuseppe Janino.