Marcos Oliveira/Agência Senado
  Mesmo sem constituir uma base formal no Congresso, o presidente Jair Bolsonaro obteve na Câmara dos Deputados, ao longo do primeiro semestre, uma média de apoio expressiva em relação às matérias de interesse do governo. A Arko Advice analisou 108 votações nominais e abertas ocorridas entre fevereiro e julho e constatou que esse apoio chegou a 58,29%. O percentual equivale a 304 votos.  

 

Fonte: Arko Advice
*Mapeamento das votações considerando a votação da PEC do Orçamento Impositivo. O governo era contra, mas não fez orientação de voto para evitar se expor.
Apoio 1: Considera o percentual de adesão entre os 513 deputados.
Apoio 2: Considera o percentual de adesão entre os deputados presentes à sessão.

Nos últimos três meses (maio, junho e julho), o apoio ao governo, considerando os deputados que participaram das votações (excluídos os ausentes), ficou, em média, em 75,71%. Quando se considera o total da Câmara, o percentual é crescente, saindo de 56,14% para 65,94%.

De todas as votações, o governo saiu derrotado em apenas cinco: convocação do ministro da Educação, Abraham Weintraub; retirada do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça; Orçamento Impositivo; e duas votações envolvendo o PL nº 10.985/18, que trata da geração e do fornecimento de energia.

Em julho, foram realizadas as votações mais importantes para o governo. Foram 24 deliberações relacionadas à Reforma da Previdência, entre requerimentos, texto principal, destaques e emendas.

 

 

Fonte: Arko Advice
* Michel Temer assumiu interinamente a Presidência após o afastamento da então presidente Dilma Rousseff

O apoio médio que o presidente Jair Bolsonaro obteve no primeiro semestre do ano só é inferior ao obtido pelo ex-presidente Lula em 2003 (63,74%). Vale lembrar que, naquele ano, o PT passou a defender propostas antes apoiadas por PSDB e PFL (hoje DEM). Foi o caso da PEC do Sistema Financeiro, que abria caminho para a autonomia do Banco Central. Por isso o governo petista contou, em algumas votações, com o apoio da oposição.

Em termos partidários, o Novo se mostrou a legenda mais alinhada ao governo federal: apoiou 91,43% das votações. O PSL, partido do presidente, aparece em segundo lugar, com 83,65%. Em seguida, estão o Patriota (78,18%), o PTB (73,75%) e o PSC (73,49%). O PSDB é o oitavo partido e o MDB, o nono. Os campeões em ausência foram: PHS (37,77%), Podemos (30,97%), PTB (30,96%), PDT (29,06%) e Rede (28,70%).

Veja, a seguir, o comportamento de cada legenda ao longo do primeiro semestre nas votações das matérias de interesse do governo.

 

Câmara dos Deputados
Comportamento partidário no primeiro semestre de 2019 (%)

Partido Bancada % Favor % Contra % Ausências % Abstenções % Obstrução % Art.17*
PT 54 13,10 26,40 30,96 1,08 28,44 0
PSL 53 83,65 1,93 14,17 0,22 0,01 0
PP 39 65,94 6,11 27,89 0,02 0 0,02
PL 39 69,95 5,70 24,08 0,07 0 0,17
PSD 36 71,39 6,68 21,43 0,12 0,23 0,12
MDB 34 70,45 4,98 24,15 0,10 0,10 0,19
PSB 32 33,68 33,27 17,04 0,26 15,74 0
PRB 31 69,94 8,27 21,57 0,03 0,03 0,15
DEM 30 67,93 3,48 26,49 0,03 0,03 2,00
PSDB 29 70,60 5,19 23,54 0,12 0,03 0,49
PDT 27 29,09 27,17 29,06 0,74 13,92 0
SD 14 69,30 8,65 21,971 0,067 0 0
PTB 12 73,75 7,768 18,152 0,327 0 0
Podemos 11 56,14 12,03 30,97 0,08 0,75 0
PROS 10 57,63 21,42 20,74 0,19 0 0
PSOL 10 12,59 26,20 20,55 0,27 40,37 0
PCdoB 8 17,60 35, 25,02 0 22,17 0
CIDADANIA 8 62,50 14,35 22,99 0 0,15 0
PSC 8 73,49 6,48 18,7 0,81 0,46 0
NOVO 8 91,43 4,6 3,93 0 0 0
Avante 7 59,39 17,98 20,50 1,58 0,52 0
Patriota 5 78,18 9,25 11,72 0,82 0 0
PV 4 46,52 25,23 20,602 0 7,639 0
PHS 1 56,66 5,55 37,77 0 0 0
REDE 1 28,70 30,55 28,704 0 12,037 0
PMN 1 72,03 17,53 8,53 0 1,42 0,47
Sem Partido 1 86,45 6,25 6,25 1,042 0 0
Total 513 58,29 12,40 22,8 0,292 6,032 0,18

Fonte: Arko Advice
* Quem está no exercício da presidência da Câmara não vota.