Divulgação

Quase U$ 1bilhão. Foi por esta margem que a Microsoft ultrapassou as expectativas do seu relatório no segundo trimestre. A explicação, segundo o chefe-executivo Satya Nadella, é a nuvem. Não só importantes clientes no setor privado como agências governamentais teriam fechado acordos com a empresa, que, por conta dos novos números, assumiu o posto de mais valiosa.

Por conta da notícia, as ações da Microsoft tiveram um aumento de valor de mercado em 3%, na esteira de um crescimento que só este ano já atingiu 35%.