Foram dois dias de audiências em que o tom dos questionamentos na maior parte do tempo foi áspero. Ainda assim, David Marcus, um dos co-fundadores da Libra, criptomoeda que o Facebook pretende lançar, não se deixou intimidar.

Ao Comitê financeiro formado por integrantes da Câmara, Marcus declarou que a plataforma de comunicação não pretende se esquivar de obter todos os salvo-condutos por parte dos órgãos reguladores antes do lançamento do projeto, mas que a empresa não pretende interromper o seu desenvolvimento.

Os comissários acusaram o plano de ser uma ameaça à privacidade dos usuários da plataforma, ao sistema financeiro americano e à segurança nacional. Acenaram, inclusive, com a hipótese de impedir empresas de tecnologia de lançar criptomoedas.