Marcelo Camargo/Agência Brasil

As instituições financeiras tentam reduzir o impacto do aumento da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) para o setor, segundo interlocutores.

A alta de tributação, proposta pelo relator da reforma da Previdência, Samuel Moreira (PSDB-SP), busca usar os recursos para o reduzir o rombo com pagamento de aposentadorias e pensões.

A equipe econômica e Moreira têm se reunido com representantes do setor financeiro e deputados que articulam um alívio a esse segmento.

Uma das propostas apresentadas é para que a alíquota da CSLL suba dos atuais 15% para 20% assim que a reforma da Previdência for aprovada, de acordo com a Folha de São Paulo.
Em vez de permanecer nesse patamar, a taxa cairia 0,5 ponto percentual por ano. Assim, seria de 19,5%, depois de 19% — até retornar aos 15% após dez anos.

O objetivo seria poupar cooperativas de crédito, fintechs e bancos menores. A B3, Bolsa de São Paulo, também seria poupada da alta de tributação, uma vez que, hoje, paga 9% de CSLL — e não 15% como os bancos