O senador Fernando Collor, do Pros-AL, admitiu ao Supremo Tribunal Federal (STF), na quarta-feira (19/6), que realmente não declarou obras de arte no Imposto de Renda (IR), e rebateu as acusações de corrupção passiva e lavagem de dinheiro atribuídas a ele pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Agora, cabe à Segunda Turma do STF terá que julgar se condena ou absolve Collor. Ainda não há data para o julgamento.

As afirmações de Collor foram anexadas às alegações finais apresentadas dentro da ação penal na qual ele é réu e que trata de desvios na BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras na venda de combustíveis.