Agência Câmara

Relator do pedido de crédito suplementar para cumprir a
regra de ouro, Deputado Hildo Rocha (MDB-MA) falou ao Brasilianista sobre o parecer do projeto e a expectativa de aprovação na Casa.

 

Quando o senhor vai apresentar o parecer sobre o
projeto do crédito suplementar? E qual a previsão
de votação na Comissão de Orçamento?

Estou querendo apresentar até terça-feira. A previsão vai
depender do presidente da comissão, que é o senador Marcelo Castro (MDB-PI), mas ele está muito interessado que se vote ainda nesta semana.

Fala-se que o governo aceitaria reduzir o valor do
total do crédito. Acredita que isso facilitaria a
aprovação?

É verdade. O governo já aceitou baixar de R$ 248,9 bilhões para R$ 147 bilhões. Facilita, mas não significa dizer que todos os problemas estarão resolvidos. A maioria dos deputados tem medo de que se autorize votar pagamento de despesa corrente com recursos de empréstimo, que iriam encarecer a despesa. Então, o que os deputados e senadores da Comissão Mista entendem é que nós temos que exaurir todas as oportunidades de usar outras fontes, desde que não seja através de empréstimos. Isso nós estamos negociando com o governo. Já baixou [o montante], vamos ver se conseguimos baixar mais. Mas acredito que não há espaço para isso. Se não houver espaço, não tem outra forma a não ser aprovar, pois já estaria diminuindo R$ 102 bilhões.

A aprovação no plenário do Congresso é por maioria absoluta. Há votos suficientes para aprovar?

De forma alguma! Hoje não tem número para passar. Ainda tem que vencer todo um obstáculo natural, que são os vetos [que trancam a pauta]. São aproximadamente 23 vetos. Em cada veto desses se gasta uma sessão. Ou duas sessões. Então não tem mais prazo útil para aprovar no plenário. Na comissão, tudo bem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui