Foto: Raul Mee
Spread the love

“Em 1984, a primeira-ministra britânica Margaret Thatcher estava sendo duramente pressionada pelo poderoso sindicato dos mineiros do norte do país. Liderada por Arthur Scargill, a União Nacional dos Mineiros (NUM) buscava impedir o fechamento da indústria do carvão. Thatcher, por outro lado, buscava enfraquecê-los por acreditar que a influência da NUM na política estava exagerada e ultrapassada.

Fortalecida pela retumbante vitória nas Malvinas contra o fraco exército argentino, Thatcher encarou o grande desafio do seu período como primeira-ministra, enfrentando uma greve que durou 1 ano e resultou em 5 mortes. A vitória contra os sindicalistas a deixaria em uma condição quase mítica. Uma derrota, teria trazido a ela as mesmas consequências experimentadas pelo ex-primeiro ministro Edward Heath no começo dos anos 1970, quando perdeu a parada ao enfrentar os sindicalistas.

Trinta e cinco anos depois, a segunda primeira-ministra da história do Reino Unido renuncia por não conseguir o seu ápice político. O Brexit, que a cada dia mostra-se uma das decisões mais equivocadas que um país poderia tomar, foi mais forte do que Theresa May.

May não convenceu o Parlamento a entregar um acordo considerado possível para obter uma saída minimamente razoável da União Europeia. Mais que isso, após três tentativas frustradas, May preparava uma quarta tentativa de convencer o Parlamento quando optou por uma estratégia arriscada. Na ânsia de conseguir os votos dos trabalhistas, May jogou a possibilidade de um novo referendo. Isso enfureceu seus colegas Conservadores, principalmente pelo fato da possibilidade não haver sido debatida internamente antes. Uma queda que estava cada vez mais próxima, acelerou-se.

Sendo insistentemente derrotada, inclusive por seus próprios correligionários, Theresa May não tinha mais nenhuma carta na manga e seu partido, nenhuma paciência. Sua saída do cargo não vem de uma decisão pessoal, porém de uma pressão insustentável de seu partido, os Conservadores.

Como ocorreu o Brexit e o que vem por aí
No dia 23 de junho de 2016, o então primeiro-ministro David Cameron decidiu por realizar um referendo questionando se o Reino Unido deveria permanecer na União Europeia. Naquele ano, a UE vivia uma crise de autonomia, onde problemas econômicos em vários países-membros eram cada vez mais regulados e potencialmente solucionados via Alemanha. Em paralelo, o problema da imigração vinda do Oriente Médio e do Norte da África gerava todo tipo de incômodo coma situação das fronteiras abertas. Com uma campanha recheada de fake news vindas de todos os lados, a decisão por sair venceu por 51.9% contra 48.1%.

Com o resultado, David Cameron deixou o cargo, e a data para se consumar a saída foi fixada para 29 de marco de 2019. Por falta de acordo entre os membros do parlamento britânico sobre as condições para essa saída, o prazo fatal foi estendido pela UE para o Dia das Bruxas, 31 de outubro.

Theresa May preparou um plano de abandono de alta complexidade, com 536 páginas para a avaliação do Parlamento. O pagamento de 36 bilhões de libras que o Reino Unido deve a UE, a situação dos britânicos que vivem em outros países europeus, acordos comerciais, prazos para a interrupção de fluxos comerciais, criação de fronteira física com a República da Irlanda são apenas algumas das pautas-bombas entre várias que deveriam ser resolvidas antes de outubro.

Caso o prazo expire e o Reino Unido não consiga apresentar um plano de saída viável, o país poderá sofrer em várias frentes: interrupção do fluxo de produtos que entram ou saem do Reino Unido; graves problemas no fluxo de caixa das empresas que dependem do comércio com a Europa e até interrupção de seus serviços; medicamentos teriam de ser armazenados e estocados para manter o abastecimento do sistema de saúde.

Uma pesquisa de setembro de 2018 mostrou que o número de britânicos que gostaria de permanecer na União Europeia aumentou de 59% para 41%. Muitos analistas acreditam que esse número já esteja bem maior hoje em dia. Inúmeros eleitores afirmam que votaram a favor do Brexit sem realmente entender do que se tratava ou o tanto que ele poderia afetar negativamente o país. Em um ambiente onde a saída da União Europeia é enxergada com olhos pessimistas, faz sentido estar sendo vista de esguelha pelo Parlamento.”

“Por outro lado, a União Europeia vive um ambiente diferente daquele ano de 2016 que permitiu a ideia do Brexit. Primeiramente, houve uma recuperação econômica em vários países, principalmente na Grécia, que representava o símbolo do fracasso europeu segundo os pró-Brexit. A onda do Brexit que criou narrativas nacionalistas indesejadas pela UE em países como Itália, Hungria e Polônia, mostrou-se passageira e está atenuada.

Decididamente, o quadro inteiro mudou. Às vésperas de eleições para o parlamento europeu, pesquisas indicam que 62% dos europeus consideram fazer parte da União Europeia como algo bom, contra apenas 11% que acreditam não valer a pena. Poderia até se dizer que o efeito educativo do Brexit foi o de fortalecimento da UE. A Itália, por exemplo, que elegeu um governo populista liderado por Giuseppe Conte, Luigi di Maio e Matteo Salvini, vem tendo dificuldades em manter a narrativa populista e nacionalista que levou o trio ao poder. Antes, críticos da UE, já buscam fortalecê-la a tentam criar uma base de influência italiana mais forte em Bruxelas.

Enquanto isso, o Reino Unido segue no limbo. Fora, mas dentro, o país não sabe como será seu futuro. O Brexit foi apenas uma aventura onde as narrativas populistas e fake news mostraram uma “facilidade” que na prática não existia?

É esperado que vários fundos de investimentos troquem Londres por Paris, Frankfurt ou Dublin. Empresas que dependem de uma visão mais global e que lidam de forma mais constante com a Europa continental também estão de malas prontas para migrarem dependendo de como o acordo de saída for feito. Milhares de britânicos que se aposentaram e vivem na Espanha, Portugal e Franca estão empacotando seus pertences. Muitos votaram pelo Brexit e descobriram que seus planos de saúde não serão mais válidos nos países no quais residem e que teriam que começar a pagar por um privado.

May versus Thatcher
O Brexit é o perfeito exemplo de como a emoção do momento aliada a informações acaloradas, sem fundamento, distribuídas pelas redes sociais podem, de fato, prejudicar a vida de milhões. Em nome da Democracia, refazer o referendo é algo muito custoso para a credibilidade britânica. No entanto, há um número crescente de súditos da Rainha que passam a desejá-lo.

Quanto a May, ela não demonstrou a habilidade ou a força de Margaret Thatcher. Na verdade, havia pouco o que ela poderia fazer. Negociar algo que não apresenta pelo menos uma boa alternativa, dificilmente traz resultados bons. May permanecerá no cargo até o dia 7 de junho. Após isso, um novo Primeiro-ministro terá de liderar o Reino Unido na pior das trilhas políticas já tomada. Entre os favoritos, encontra-se Boris Johnson, Ministro de Relacoes Exteriores e figura popular entre colegas mas sem o reconhecimento público à altura da posição.

*Thiago de Aragão é sociólogo, mestre em Relações Internacionais pela Universidade Johns Hopkins e pesquisador sênior do Center for Strategic and International Studies de Washington (CSIS).

Artigo anteriorOMS endossa Brasil por processo contra gigantes do tabaco
Próximo artigoNetflix pode contar com concorrência pesada
Thiago de Aragão e sociólogo, Mestre em Relações Internacionais pela Universidade Johns Hopkins, Pesquisador Associado do Instituto Frances de Relações Internacionais e Estratégicas e Diretor de Estrategia da Arko Advice. Nos últimos anos, Thiago liderou projetos estratégicos para vários clientes nacionais e internacionais. Ao longo dos últimos anos, palestrou em vários países, por meio de convites de governos, universidades e fóruns. Recebeu em 2013 a medalha de honra ao mérito do Governador-Geral do Canada e em 2016 foi escolhido como Jovem Liderança do Ano pelo Governo da Franca.