Na semana passada ocorreu o primeiro encontro bilateral de Jair Bolsonaro enquanto presidente do Brasil. A  viagem foi marcada por troca de gentilezas e alinhamento de ideias entre o presidente  brasileiro e o presidente americano, Donald Trump.  Além do anuncio  de medidas para alterar a relação com os Estados Unidos. Também fizeram parte da comitiva o ministro da Economia, Paulo Guedes, e a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina.

Bolsonaro chegou aos EUA no domingo (17) e participou de um jantar na casa do embaixador do Brasil Sérgio Amaral, acompanhado do escritor Olavo de Carvalho e do marqueteiro Steve Bannon. Na ocasião o presidente brasileiro afirmou que é preciso fortalecer o comércio e criticou o “antigo comunismo”.

Durante a viagem, foi editado um decreto dispensando a obrigatoriedade do visto para cidadãos norte-americanos ingressarem no Brasil. Essa medida se estendeu a cidadãos da Austrália, do Japão e do Canadá. O Brasil não exigiu qualquer reciprocidade, o governo acredita que a medida irá incentivar o turismo e os negócios entre as nações. Também foi assinado um acordo com os Estados Unidos de “salvaguardas tecnológicas” que permitirá o lançamento de satélites e mísseis norte-americanos da base de Alcântara, no Maranhão. Donald Trump afirmou que o Brasil é “o maior aliado” dos Estados Unidos fora da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e manifestou apoio à entrada do país na OCDE.

Na Câmara de Comércio dos EUA, Paulo Guedes disse que o presidente Bolsonaro tem “inteligência e colhões” para controlar os gastos públicos e afirmou “Vocês podem ir lá ajudar a financiar nossas rodovias, ir atrás de concessões de petróleo e gás. Daqui a três, quatro meses, vamos vender o pré-sal. Todos vão estar lá: chineses, americanos, noruegueses”.

Tereza Cristina se pronunciou sobre aproximação entre os países e em especial em sobre o retorno das exportações de carne brasileira in natura desossada para o país. Em Nova York, a ministra participou de encontro com executivos de grandes fundos de investimento internacionais, promovido pela XP Investimentos e afirmou que pretende atuar cada vez mais em conjunto com o Ministério da Infraestrutura para melhorar as condições de armazenamento e de escoamento da safra e, com isso, reduzir os custos de produção no País e afirmou que seu ministério  conta com estratégias e pretende fazer melhorias internas em procedimentos para facilitar a vida dos empresários que já têm ou pretendem iniciar investimentos no Brasil.