O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Poder Judiciário, apresentaram nesta segunda-feira (18) em São Paulo, um relatório sobre a judicialização na saúde. Os dados apontam crescimento de aproximadamente 130% nas demandas de primeira instância entre 2008 e 2017.

Problemas com os convênios foram a maior causa (30,3%) dos pedidos de processos relacionados ao assunto no país. Outros assuntos levados ao Judiciário nessa última década foram os pedidos de seguro em saúde (21,1%), saúde pública (11,7%), o tratamento médico-hospitalar ou fornecimento de medicamentos (7,8%) e fornecimento de medicamentos (5,6%). Na segunda instância, planos de saúde respondem por 38,4% e seguro, por 24,7%. Na primeira instância, são saúde pública (23%), planos de saúde (22,8%) e seguro (14%).